9 de nov de 2010

Cerâmica Bragantina.

De posse de uma máquina digital e de muita criatividade, os alunos da turma 801 manhã da EEEFM RIO CAETÉ, em Bragança - Pa produziram um pequeno documentário sobre a produção da cerâmica bragantina feita na comunidade da "Fazendinha".
A idéia do documentário surgiu a partir de uma proposta de trabalho sugeridapara a disciplina Estudos Amazônicos. Gostamos tanto do trabalho ao ponto de decidirmos publicar na WEB para incentivar um melhor uso dessa ferramenta como instrumento de ensino.








14 de out de 2010

A geografia a partir do espaço.


Imagem extraída de: http://www.sat.cnpm.embrapa.br/
 A Geografia é um campo de conhecimento que sempre surpreende por seu leque de possibilidades e por sua proximidade com diversas áreas, como a História, Sociologia, Biologia, a Matemática e até mesmo a Física. Durante o bacharelado, algo que sempre despertou minha curiosidade foram os estudos relacionados ao Geoprocessamento e a cartografia de modo geral, que, aliás, apesar de ser fundamental para as representações espaciais e estudos técnicos do meio, não é um objeto de uso exclusivo da geografia, mas que é algo realmente apaixonante e interessante.
 Para se entender melhor do que se trata, basta se perguntar como são feitos os diversos mapas temáticos  de população, relevo, hidrografia, clima, vegetação, desmatamento e etc...contidos nos livros didáticos, jornais, revistas,  almanaques e uma variedade de outras fontes. Além disso tudo, podemos também nos perguntar como são captadas as imagens de satélite, as ortofotos, as fotos aéreas e outros.

http://www.cpap.embrapa.br/agencia/images/cheia_100.html

Trata-se do uso dos SIG’S ( sistemas de informação geográficas ) que requerem amplo conhecimento da matemática, física, informática, engenharia e claro também da geografia, para seu uso, que podem servir para estudos nos campos da biologia, geologia, engenharias e etc...

Uma peça fundamental no uso dos sig’s é o computador, somado aos inúmeros satélites existentes no espaço, e que possuem funções diferentes de acordo com o objetivo com que foram lançados. No Brasil, por exemplo,  temos os CBERS,  que servem para monitorar recursos terrestres, mas existem outros com uma variedade de funções, desde o auxílio para bases cartográficas aos espiões e de monitoramento do clima.

6 de out de 2010

África, o continente da Diversidade.



o continente africano é conhecido pelas suas belezas naturais e mazelas sociais. Porém, o que encontramos de imenso neste continente é a diversidade física e sócio-econômica, pois existe neste espaço desde extensos vales férteis, até desertos gigantes como o Saara e o Sharel. O contraste da pobreza e riqueza também é visível por todo continente, principalmente pelas péssimas condições de vida em muitos países.
Em conseqüência a esta diversidade, não é tarefa fácil dividir a África por regiões devido a sua heterogenidade. Porém, foram definidas duas formas de classificação regional: as questões físicas (localização geográfica) e questões humanas (cultura/ocupação) que estudaremos neste 3º bimestre em Geografia na 7ª série. E atenção crianças, este ano o tema de nossa feira de ciências será...  África!!!! então vamos aproveitar ao máximo as aulas que em muito ajudarão no desenvolvimento de projetos. No próximo post colocarei mais orientações para a produção do nosso "Guia Turístico da África" como propus aos alunos da  701 e 702 da EEEFM RIO CAETÉ.

Mapa extraido de: http://www.google.com/images
Ao visualizar um mapa da África, pode-se ver que dividir o mesmo por regiões a partir da sua localização espacial nos sentidos Norte, Sul, Leste e Oeste é bem possível. Dessa forma, classificaremos o continente em 6 regiões distintas quanto a sua posição geográfica: África do Norte ou setentrional , África  Ociedental,  África Central, África Oriental, Sul da África ou África Meridional e as Ilhas do Índico.



Aspectos Sócio-econômicos
Agora, analisar a África destacando suas características culturais, promove uma divisão bem diferente da anterior. Por esse aspecto classificamos a África em duas regiões: África “branca” (cultura árabe) e África “negra” (culturas locais).
Isto é possível em virtude da influência que a região norte da África (árabe) sofreu da ocupação dos povos do Oriente Médio (Ásia) , tendo como resultado um espaço totalmente adverso da África “negra”, sendo esta última caracterizada pelas culturas regionais provindas de milenares tribos africanas. Também é possível destacar a própria cor da pele dos africanos nessas duas regiões: os descendentes de árabes possuem uma tez clara, em grande parte, enquanto que os africanos relacionados com as culturas tribais já têm uma cor mais negra.


Mapa extraido de: http://www.google.com/images

4 de out de 2010

O futuro da Amazônia?

http://www.geografiaparatodos.com.br/img/infograficos/devasta_amazonia.jpg 


Essa é uma projeção do futuro amazônico, graças a intensificação da ação antrópica na região. isso tudo se deve, principalmente, a atuação de grupos empresariais nacionais e internacionais que tem visto a floresta e suas riquesas como fonte de lucros e negócios, ao estilo "negócio da china". Para se ter uma dimensão do quanto são gigantescas essas práticas, basta analisar o esquema acima e não criminalizar as suas "simples" e tradicionais populações que nos tem muito a ensinar sobre um estilo de vida harmonioso entre homem e natureza, mantendo uma sustentabilidade que deve ser entendida e divulgada.

Tarcisio Oliveira

2 de out de 2010

Censo 2010




Este ano está sendo realizado mais um censo, que já tráz novidades sobre o perfil da população e da sociedade brasileira. A expectativa de vida vem aumentando gradativamente, bem como o quantitativo populacional, o número de habitações, a renda e a população idosa.
Por outro lado a mortalidade infantil, a natalidade, a fecundidade e o quantitativo de jovens até  24 anos sofreu redução, o que evidencia o novo perfil do brasileiro. Leia mais!

O Censo é a principal fonte de dados sobre a situação de vida da população nos municípios e localidades. É através dele que são coletadas informações para a definição de políticas públicas em nível nacional, estadual e municipal. Os resultados do Censo também ajudam a iniciativa privada a tomar decisões sobre investimentos. Além disso, a partir deles, é possível acompanhar o crescimento, a distribuição geográfica e a evolução de outras características da população ao longo do tempo. Daí vem a importância de a população responder ao Censo: é através dele que a sociedade poderá calcular quantas escolas, hospitais e outros equipamentos públicos são necessários em cada localidade, bem como que obras de infra-estrutura são necessárias. Também com os dados do Censo, a iniciativa privada poderá planejar seus investimentos, como a seleção de locais para a instalação de fábricas, shopping centers, escolas, creches, cinemas, restaurantes etc.
Fonte: www. ibge.gov.br 



29 de set de 2010

Aziz Nacib Ab'Saber

É comum ouvirmos falar dos notáves em física, medicina, matemática e outros estrangeiros, entretanto não é na mesma proporção que conhecemos referências destes mesmos campos no Brasil, menos ainda quando se trata da Geografia, porém é na geografia um dos poucos campos que podemos nos orgulhar dos trabalhos feitos e reconhecidos mundialmente. Neste post farei referência a Aziz Nacib Ab'Saber, um notável geógrafo que a pezar do nome é brasileirissímo.



Filho de um libanês e de uma brasileira,  ingressou na USP no curso de Geografia e História aos dezessete anos, e teve seu primeiro emprego como jardineiro da Universidade. Trabalhou durante muito tempo como professor do ensino básico até chegar finalmente na Universidade de São Paulo. Iniciou suas pesquisas na área de geomorfologia e logo passou a incorporar conceitos de diferentes áreas do saber.Ab'Saber defende uma ciência mais próxima e a serviço dos movimentos sociais. Desenvolveu centenas de pesquisas e tratados científicos, dando contribuições importantes para a ecologia, biologia evolutiva, fitogeografia, geologia, arqueologia, além da geografia. Dentre algumas dessas múltiplas contribuições, estão estudos que corroboram a descoberta de petróleo na porção continental na Bacia Potiguar e a coordenação da criação dos parques de preservação da Serra do Mar e do Japi. Elaborou classificações e levantamentos nos domínios morfoclimáticos e dos ecossistemas sul-americanos, reconstituição de paleo-climas , estudos de planejamento aerolar, pesquisas de geomorfologia climática sul-americana, elaboração de modelos explicativos para a diversidade biológica neo-tropical - Redutos Pleistocênicos - além de estudos sobre rotas de migração dos povos pré-colombianos sul-americanos, estudos de planejamento urbano, medidas preservação do patrimônio histórico - tombamento do Teatro Oficina) - e teorias da educação, com o fim de incluir currículos setoriais em grades de ensino regionais e nacionais. Leia mais...

fonte: adptado de:  pt.wikipedia.org/wiki/Aziz_Ab'Saber

27 de set de 2010

O Dia da Árvore

Foto: Tarcísio Costa
Foto: Tarcísio Costa

Dia 21 de Setembro, 11:40h, 6º horário, Turma 502, EEEFM RIO CAETÉ....
Dia 21 de Setembro tradicionalmente se comemora o dia da árvore. Talvéz ném todos lembrem desta data, mas o curioso é que dificilmente nossos alunos mais jovens, de modo geral aqueles que cursam a 5ª série, esquecem datas comemorativas como essas. Pode-se associar a lembrança ao fato terem feito muitas atividades com a "tia" lá na 1ª à 4ª série em alusão a essas datas.
O que me chamou mais a tenção este ano porém não foi somente o fato de lembrarem a data, mas de modo curioso, como geralmente são, investigarem a orígem de um barulho que encomodava minha aula de geografia naquele dia em que desvendávamos "os segredos da escala cartográfica". De posse de muita energia, logo descobriram de onde vinha o barulho externo, era um machado sendo manuseado por homem que não media esforços para derrubar uma árvore do lado de fora da escola.
Críticos, logo repudiaram o ato com suas famosas frases " professor, estão cortando a árvore logo hoje que é o dia da árvore!!", "acho que ele não sabe que hoje é dia da árvore né professor?" e por aí vai....
Não poderia deixar esse momento oportuno escapar sem aproveitar uns minutos da aula para motivá-los pela preservação ambiental e é claro registrar o acontecemento com a única mídia dísponivel, o celular!!  tirei umas fotos para registrar que aquele seria o último dia para aquela árvore.

20 de set de 2010

Geógrafo x Professor de Geografia

No Brasil, um Geógrafo é o profissional que fez o Bacharelado em Geografia, legalmente habilitado através da Lei 6664/79, no qual remete-se ao registro no CREA de seu estado.
A diferenciação profissional entre um Geógrafo e um Professor de Geografia é que o Geógrafo possui habilitação para emissão de pareceres técnicos, desde que regularmente associado ao CREA, assim como para a elaboração de EIA/RIMA, podendo também prestar concursos públicos para quadros estatais que precisem de bacharelados.

Já o professor de Geografia é o profissional que tem titulação de Licenciado em Geografia, podendo exercer legalmente apenas as funções de docência, do 6º ano ao 9º ano do Ensino Fundamental (antigas 5ª a 8ª série), e todo o Ensino Médio. Portanto, Geógrafo não é professor e Licenciado em Geografia não é Geógrafo, assim como licenciado em Biologia, Química etc... não é Biólogo, Químico e etc...  tudo isso pode ser consultado no Site do MEC, porém há uma diferença no caso da Geografia, pois o graduado dependendo do curso e da Universidade na qual ingressou pode ser duplmente habilitado, possuindo tanto o grau de Geógrafo (bacharel) quanto de Licenciado em Geografia ( professor ).


16 de set de 2010

Oda al Globo Terráqueo.

E então... hoje publico um poema de Pablo Neruda .
 
Pablo Neruda

“Tú, mapa mundi,
objeto,
eres bello como
una paloma verde opulenta,
o como una
transcendente cebolla,
pero
no
eres
la tierra, no
tienes
frío, sangre,
fuego, fertilidades.”
 

14 de set de 2010

Bragança, como esteira de luz e bonança!

por Jéssica Souza
foto Alexandre Moraes
Segue abaixo um trecho do texto do jornal beira do rio, da Universidade Federal do Pará.

Como esteira de luz e bonança / A esplender para nossa emoção / Esta terra ideal de Bragança / É de Deus a melhor criação". Essa é a estrofe inicial do hino escrito pelo poeta Antônio Telles de Castro e Sousa para uma das cidades mais antigas do Pará, localizada no nordeste paraense, a 220 quilômetros da capital Belém. Os versos remetem à biodiversidade típica das terras amazônidas, que, no caso bragantino, se traduz em uma vasta área de manguezal, praias de mar e de água doce, como a formada pelo Rio Caeté, às margens de onde surgiu o primeiro povoado que, há 388 anos, deu origem ao município.. leia mais

10 de set de 2010

Belo Monte "pour Le Monde" da França

Des indiens Tucano manifestent contre la construction du barrage à Brasilia, le 26 août 2010.
AP/Eraldo Peres













 Desde 2007 quando fazia o curso Livre de francês na Ufpa, em Belém, adquiri o hábito de ler os jornais francêses "Le Monde" e o "Le figaro", encontrei numa de minhas buscas  uma matéria em referência a controvertida obra da usina de Belo Monte, com uma foto exibindo um cartaz que mostra um trocadilho com o nome da usina. Saber qual a visão de outros povos e culturas sobre o quanto e o que acontece em nosso ambiente repercute em outras realidades geográficas é importante, então resolvi fazer uma tradução "á la Tarcisio" e publicar no final do post e assim incentivar meus visitantes a ler.

 
Le président brésilien, Luiz Inacio Lula da Silva, a signé jeudi 26 août le contrat de concession de travaux publics pour le barrage controversé de Belo Monte en Amazonie, le troisième du monde, auquel s'opposent des écologistes et des communautés indigènes. "Nous rendons possible quelque chose qui paraissait impossible il y a 30 ans (...) c'est une victoire du secteur énergétique", a déclaré Lula pendant la cérémonie. C'est le consortium Norte Energia, à dominante publique (49,98 %) qui construira le barrage, mais la participation indirecte de l'Etat est estimée à 70 % parce que des fonds d'investissements d'entreprise publiques complètent ce consortium."Le gouvernement a signé la condamnation à mort du fleuve Xingu et l'expulsion de milliers de riverains", ont déploré des Indiens de la région soutenus notamment par l'Eglise et le réalisateur d'Avatar, l'Américain James Cameron. leia mais no texto original.

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, assinou nesta quinta-feira 26 de agosto o contrato de concessão das obras publicas da controversa barragem de Belo Monte na Amazônia, a terceira maior do mundo se opondo aos ecologistas e as comunidades indígenas. “ Nós estamos permitindo algo que parecia impossível há 30 anos (...) é uma vitória do setor energético, declarou Lula durante a cerimônia.O consorcio Norte Energia, dominante público com 49,98 % construirá a barragem, mas a participação indireta do estado está estimada em 70% uma vez que os fundos de investimentos públicos completam o consorcio." o governo assinou a condenação à morte dos povos do Xingu e a expulsão de milhares de ribeirinhos" desabafam os indigenas da região apoiados pela igreja e pelo americano James Cameron produtor do Avatar.

8 de set de 2010

Los Hermanos do Guamá


foto de Márcio Ferreira e texto de Yuri Rebêlo
                                     

Encontrei uma matéria interessante no Jornal Beira do Rio - da UFPA - publico um resumo dela nesta postagem. Quem se interessar pode ler na integra clicando no link.

Com a globalização, dia após dia, as distâncias estão diminuindo. Novas tecnologias, como telefone, rádio, televisão, e-mail, celular, mensagens de texto, programas de conversa instantânea e redes sociais, têm contribuído para isso. Mas, como se comunicar com alguém que está em outro país, que possui cultura e língua diferentes da sua? Nesse contexto, a necessidade do aprendizado de línguas estrangeiras se torna cada vez mais presente. Para tentar viabilizar o estudo de línguas estrangeiras no Guamá, bairro vizinho à Universidade Federal do Pará (UFPA), a Faculdade de Letras Estrangeiras Modernas (Falem) sedia o Projeto da Pró-Reitoria de Graduação “Guamá Bilíngue em 10 anos”. Leia mais

1 de set de 2010

DE QUEM É A CULPA?


Revendo meus arquivos pessoais, encontrei uma resenha que havia escrito e achei interessante publicar e dividir minhas idéias com mais alguém...

CARVALHO, Maria do Carmo Naif. O meio ambiente e a sociedade, in: Gestão de pessoas. Rio de janeiro. SENAC Nacional, 2004.p 65-72.

O meio ambiente e a sociedade apresentados por Carvalho (2004) nos tráz uma discussão a cerca da problemática ambiental enfrentada atualmente, cujas bases se estendem por diversos campos sociais, “político, histórico, ecológico, econômico, psicológico e religioso” (p.65).
Para nos instigar sobre os aspectos a que a autora aborda em seu trabalho, a princípio nos remete a algumas questões atuais sobre o ambiente e segue com indagações que nos forçam a pensar sobre o ambiente em que nos inserimos atualmente, pelas mudanças que a terra e as espécies passaram, novas surgiram e muitas desapareceram.
A autora trata o ambiente como um sistema cíclico, que, no entanto está passível de sofrer alterações de acordo com o equilíbrio social, sobretudo do sistema político, omisso e imoral ante suas responsabilidades segundo ela.
Nos mostra o que fazemos e atitudes que frequentemente tomamos sem pensar em gravidades e implicações resultantes, evidenciando desta forma o homem como parte do ambiente. O que ao ambiente for causado enquanto dano resultará em conseqüência ao homem, uma vez sendo estes indissociáveis.
Segundo a autora “ao introduzir elementos da comunicação e da técnica, nossa espécie transcendeu a evolução biológica natural” (p.66), fato que impõe sobre o que seja feito pelo homem ponha em risco a vida na terra. Um princípio de ação e reação, em que toda ação humana danosa a terra terá em conseqüência uma reação da terra sobre a vida humana e também outras, uma vez sendo todos interdependentes.
A responsabilidade em resgatar o equilíbrio é tratada como de cada um. Todos devem rever seus conceitos, crenças, atitudes e hábitos de consumo, assim fazendo um esforço para compensar os problemas que causamos.
Alguns problemas tal como o da população mundial, tratada como sendo conseqüência da pobreza, devem ser sanados. Segundo a autora a partir da redução da pobreza, vista por ela como fator agravante, aliado ao aumento constante do endividamento dos países do hemisfério sul faz com que se perpetue uma pressão sobre os recursos.
É preciso antes de tudo uma mudança que ainda não se concretizou para muitos de nossos governantes, e, sobretudo uma conscientização para que possamos garantir a manutenção de futuras gerações e da terra como um todo. Para isso a autora finaliza deixando três princípios necessários para se adotar uma cultura ecológica.
O primeiro, a interdependência, trata dos processos vivos relacionados e por isso uma sociedade consciente disso é necessária. O segundo, da natureza cíclica em que não há uma entropia, diferente da ação humana que gera uma entropia, um desperdício de biomassa, segundo ela ”o maior conflito entre a economia e a ecologia reside no fato de a natureza ser cíclica e a indústria linear” (p.71). O terceiro princípio é o da cooperação, em que cada um pode ser capaz de compreender a necessidade do outro e por isso mesmo ser consciente de sua responsabilidade com a natureza.
Penso que as atitudes hoje preponderantes são fruto de uma ideologia desenvolvimentista, mais econômica que social. Ótica que pôs a natureza em risco por acreditar a principio que os recursos eram infinitos.
Os recursos são tão finitos quanto a vida humana, pois ambos estão interligados, o fim de um resultará na extinção do outro, resultado de uma força de ação e reação como já salientado. Entretanto é preciso refletir sobre as responsabilidades perante a natureza, deixar responsabilidades iguais para ações impactantes diferentes sobre a natureza é em grande parte prejudicar alguns e beneficiar outros. Pergunta-se então, todos temos as mesmas responsabilidades com a natureza? Certamente que sim, mas quando se fala em culpas iguais a resposta que daria seria, claro que não!
Pensemos, por exemplo, na ação de uma indústria pesqueira que atua em um determinado local e distribui sua mercadoria para ser vendida no mundo inteiro. A pressão sobre a natureza local e os danos causados pela indústria são evidentes, agora se pegássemos com exemplo um ribeirinho amazônico que extrai da floresta algum tipo de madeira, palha e outros para construir sua humilde moradia, um dia após o outro retira dos rios e de algumas palmeiras, como o açaizeiro, o seu alimento e pequeno excedente para ser comercializado na cidade para suprir necessidade de outros produtos, será que ambos tem a mesma culpa sobre os problemas que afetam o planeta? Penso que não. Quem deve ser desse modo conscientizado sobre ações de preservação do meio ambiente, ambos?
Utilizando o mesmo exemplo da autora sobre o garoto que salvava as estrelas – do - mar, uma após a outra, evidenciando a responsabilidade de cada um questiono: quantas estrelas do mar a indústria deve salvar? E quantas o ribeirinho? É certo que todos devemos ter responsabilidades, porém em proporções diferentes, pois para salvar “as estrelas do mar” digamos que prejudicadas por um ribeirinho se demandaria a mesma ação que para salvar as prejudicadas pela indústria, porém em menor tempo e com menos esforço. Dar responsabilidades iguais para intensidades diferentes de ações favorece para que alguns lucrem e outros levem culpa.
É certo que danos que acontecem em uma parte do mundo afetam o mundo inteiro, mas será moral ou ético um habitante da África racionalizar água porque esta falta em seu espaço, sobretudo devido a mudanças no clima provocadas pelo aquecimento global, decorrentes de emissões de gases principalmente pelos países ricos, enquanto um americano usa até dez vezes mais água do que necessita, sendo eles responsáveis pelo que acomete a população africana? É uma necessidade de sobrevivência que impõe os africanos racionalizar a água, não uma responsabilidade proporcional ao dano que causam.
Creio que a numerosidade da população no países pobres não seja um fator que se sobressaia quando nos referimos a danos ao ambiente como propõe a autora. Se fizermos isso estaremos voltando ao século XIX com a teoria dos pricípios da população do inglês Thomas Robert Malthus. A pobreza e a população não são responsáveis pelo que acomete ao ambiente, basta tomar como exemplo a China com sua gigantesca população de 1,3 bilhões de pessoas, é o país que mais tem usuários de bicicletas.Comparando o padrão de vida dos EUA em que quase toda família tem entre 1 e 3 carros, não tem nem 1/5 da população da China e é responsável pela maior parte das emissões de gases danosos ao ambiente no mundo, veremos neste exemplo que ter uma população numerosa não é o problema, o problema está nos hábitos, no modo de vida. Devemos sim nos preocupar, mas se a população dos países pobres adquirirem o mesmo poder de consumo dos países ricos, e parece ser isso que a indústria quer buscar, consumidores em potencial.
Assim, devemos nos conscientizar, mas para saber o papel de cada um e poder questionar e impedir aqueles que agridem e ameaçam o ambiente.

29 de ago de 2010

TURISMO E GEOGRAFIA

-->
Seguindo a temática do turismo em que sempre trabalhei, publico este post com uma pequena reflexão teórica em torno da questão. Se o francês Yves Lacoste disse que: " a geografia serve em primeiro lugar para fazer a guerra" , eu digo que ela serve em segundo lugar para fazer o turismo e justifico com o texto que segue...

4 de ago de 2010

MARX E A POPULAÇÃO

Como prometido no post anterior, segue mais reflexões sobre a população.

Considerando a perspectiva de Marx sobre a população, podemos concluir que para ele a população excedente ou sobrepopulação, qual seja aquela que excede pelo crescimento da população a quantidade dos meios de subsistência e que geraria pobreza, na verdade não existe. Para ele o pobre não é somente aquele privado de recursos, mas aquele que também é incapaz de se apropriar dos meios de subsistência por meio do trabalho. Assim podemos relembrar então do exemplo de DAVID RICARDO quando citou o trigo ( no post anterior).

Para Marx a qualidade de necessitado dado ao trabalhador é decorrente do fato dele depender sempre da necessidade que o capitalista tem de seu trabalho, ou seja, é o capitalista que o coloca na condição de necessitado ou não. Isso porque no capitalismo o que importa é o lucro e não a satisfação das necessidades. Logo, se manter muitos na condição de necessitados gera lucro, pouco importa quantos miseráveis teremos.

Com relação à produção, a quantidade de população força de trabalho advinda do crescimento natural não é o único fator e só ele não basta, pois a produção capitalista vai além desse fator e além de tudo toda a população não é absorvida: temos idosos, crianças etc.... é claro que o número de trabalhadores ocupados aumenta conforme aumenta a produção, porém esse aumento é decrescente. Isso porque os meios de desenvolver a produção, que são os meios de produção, no capitalismo são também meios de exploração e dominação da classe trabalhadora.

O aumento da produção também implica no desenvolvimento de técnicas, novas máquinas, mais matéria-prima, portanto meios de trabalho e de Mão-de-obra (trabalho vivo e morto). Assim, nem os já empregados e nem os adicionais necessariamente serão absorvidos, gerando uma massa de trabalhadores disponíveis, trabalhadores inativos, podendo ou não ser usados de acordo com a necessidade de ampliação do capital.

Assim, a superpopulação é tanto resultado como condição da acumulação do capital. Isso por que as condições de ampliação do capital geram mais excedente populacional e esse excedente populacional serve como fator para exploração do trabalhador e conseqüente acumulação maior. Como?

Isso ocorre de duas formas: serve para regular os salários/ e é material humano disponível, a ser usado, independente do aumento real de produção.

Temos ai então o que Marx chama de exercito industrial de reserva, formado por trabalhadores desocupados ou semi-ocupados, servindo como uma pressão para rebaixar ou manter os salários dos efetivamente ocupados. Já que podem ser substituídos.

Os trabalhadores se submetem a várias formas de exploração do seu trabalho, aumentando por exemplo as horas trabalhadas... e cada aumento na jornada de trabalho significa menos trabalhadores novos empregados. A redução de jornada de trabalho pode significar mais trabalhadores empregados. Existe um projeto para essa redução no Brasil, de 44h semanais para 40 h semanais. Essas e outras formas de exploração do trabalhador (mais-valia) geram grande leva de miseráveis.

Há ainda diversos contextos que podem gerar desemprego conjuntural e escassez de Mão-de-obra. Como pode haver desemprego e falta de Mão-de-obra ao mesmo tempo? Isso porque a divisão do trabalho fixa o trabalhador em certo tipo de trabalho e o impede de migrar para novas atividades. Desse modo podemos presenciar um momento em que existem muitos desempregados e falta e trabalhadores em algum setor. Ex: hoje no Brasil temos muitos desempregados, mas sobram vagas na construção civil, informática (porém isso não é homogêneo em todo território).

15 de jul de 2010

Concepções Sobre População

De início não pretendo supor que se começou a pensar em população apenas no século VXIII, porém a atualidade dos temas tratados é que fazem necessários um retorno do pensamento Malthusiano e Marxista para entender as bases do pensamento da população no século XX e com isso tentar entender a complexidade da realidade social e histórica.

A Teoria de Malthus

Foi em 1798 que Thomas Robert Malthus escreveu seu primeiro ensaio sobre o princípio da população, e em 1803 publicou a segunda edição que foi ampliada, e, após essas, quatro outras edições, sendo a última delas em 1826.

O período histórico que antecede tudo isso é aquele que vai do séc XIV ao XVI que reflete a expansão capitalista frente a decadência do antigo regime feudal. Então, há aí uma separação dos meios de produção e subsistência praticados no seio da medievalidade com o mercado de trabalhadores livres, sendo expresso de inicio na Inglaterra.

Tem-se ai a acumulação originária que foi o ponto de partida da acumulação capitalista, sendo os trabalhadores separados da propriedade sobre as condições da realização do trabalho, ou seja, o trabalhador não tem mais vinculo com a terra e com o seu senhor. A relação não é mais servil, é uma relação de trabalhadores livres e burguesia.

Já no século XVIII enquanto a Inglaterra vive o industrialismo, momento em que Malthus escreveu seu ensaio sobre o principio da população há uma mudança nas relações de trabalho impulsionadas por um contexto novo. Os empregados de inicio, que eram homens adultos, agora são crianças e mulheres, que trabalham em algumas fases do setor produtivo substituindo o homem e gerando então grande desemprego e movimentação de trabalhadores pelo território, a migração, obrigando-os assim a trabalhar de um lugar para o outro, mudando suas relações familiares e aumentando entre outras coisas a mortalidade infantil.

Esse contexto de mudanças drásticas promove o movimento dos quebradores de maquinas. Foi aí que se deu o inicio da luta da classe trabalhadora para enfrentar a situação de precariedade em que se encontrava. Nesse quadro é que devemos então analisar o homem Malthusiano.

Em seu primeiro ensaio, Malthus critica os socialistas utópicos, que eram aqueles que sonhavam com uma sociedade igualitária como solução a situação de miséria em que se vivia. Podemos citar alguns desses socialistas, como Condorcet e Wallace. Malthus dizia que “ a causa verdadeira da miséria humana não era a sociedade dividida em proprietários e trabalhadores, entre ricos e pobres”, negando deste modo que uma sociedade sem classes e igualitária seria a solução para a miséria como propunha os socialistas. Para Malthus “a miséria seria na verdade um obstáculo a ser considerado como positivo que sempre atuou na historia humana para equilibrar o desnível que há entre a multiplicação dos homens e a produção dos meios de subsistência”, que em outras palavras chamamos de produção de alimentos.

Deste modo, Malthus constataria que existe uma lei natural. Essa lei natural evidencia que a população cresce num ritmo geométrico e os produtos de subsistência, a produção de alimentos, num ritmo aritmético.

Ex: PG 2,4,8,32,..

PA: 2,4,6,8,10,12,,,,,,,

Assim, a miséria e o vício seriam positivos ao crescimento da população, pois eles reequilibrariam essas forças tão desiguais, pois a paixão entre os sexos excede a capacidade da terra de produzir alimentos para a sobrevivência do homem. Isso tudo ocasionaria uma forte pressão restritiva, ou seja, que restringia o acesso aos alimentos, sendo que os mais pobres ficam com a pior parte e uma menor parte da população convivendo com a fome e a miséria. Assim para Malthus a fome e a miséria são maus necessários.

A miséria segundo ele, faz com que se reduzam os matrimônios, pois se torna caro e difícil sustentar os filhos e por outro lado obriga os cultivadores a aumentar o emprego de Mão-de-obra e abrir novas áreas para o cultivo e re-equilibrar a relação população e recursos. Entretanto ao se ampliar os meios de subsistência a população volta a crescer, vivendo assim sempre num progresso e retrocesso.

Criticando mais uma vez a idéia dos socialistas utópicos, Malthus dizia que uma sociedade igualitária estimularia os nascimentos e dessa forma estenderia a pobreza a todos, e uma luta pala sobrevivência em meio a tantos pobres faria triunfar o egoísmo. Ele inclusive é contra qualquer forma de assistencialismo do estado em favor dos pobres, considerando como algo nefasto,( FALSA IDEIA DE MUDANÇA DE VIDA) pois reduziria a miséria apenas em curto prazo e estimularia o casamento e a procriação dos indigentes. ( coitado do bolsa família se Malthus estivesse aqui).

A produção de alimentos seria limitada, pois depende de espaços cultiváveis, fertilidade do solo, disponibilidade de empreendedores na atividade.

Ex: Estados Unidos tem boas condições e por isso o crescimento populacional ali dobraria de 25 em 25 anos.

Já a Europa teria dificuldades por questões de limitação do solo, de carência de áreas e elevado custo de produção. Dobrando a população de 300 ou 400 anos.

Algumas questões

1. Não estaria Malthus fugindo ou subestimando as relações sociais e econômicas que eram particulares ao momento histórico em que viveu, como fonte explicativa da pobreza, refugiando-se, como principio motor de sua teoria, numa relação numérica abstrata? ( apenas uma relação inexpressiva de números) afinal ele era considerado um ideólogo da burguesia, seu defensor e legitimador.

Temos na crítica de David Ricardo um questionamento a cerca dos fundamentos de Malthus quando faz uma instigação “ o quanto de trigo disponível é absolutamente indiferente ao trabalhador, se ele carece de ocupação e não pode adquirir esse trigo. Portanto, são os meios de emprego e não os de subsistência que colocam o trabalhador na categoria de população miserável ou não”.

2. o desenvolvimento da indústria impediu o desenvolvimento da produção agrícola? Hoje, não se produz infinitas vezes mais do que em sua época, com proporcionalmente menor quantidade de trabalhadores agrícolas? Pois segundo Malthus o crescimento da população induziria a incorporação de novas áreas ou a intensificação das já existentes. Tanto num caso com no outro elevaria os custos de produção.

3. existiriam limites no entendimento do homem por malthus?

O homem de malthus é aquele sujeito a paixão entre os sexos. Invariável em todas as épocas e traduzido em multiplicação matemática. O homem Malthusiano se resume a procriação regulada pela miséria e pelos vícios, pelo matrimonio e pelo celibato.

No próximo post continuarei esta reflexão sobre população, desta vez com as idéias reformistas marxistas que colocam em xeque os postulados de Malthus.

9 de jul de 2010

Questão Palestina

Hebreus, Judeus, filisteus, Palestinos, Árabes, Muçulmanos, Israelitas e Israelenses são termos que não são bem compreendidos pela maioria das pessoas, e além do mais quando vêm interrelacionados podem se tornar um "bicho de sete cabeças" e dá um nó no "juízo" de muitos alunos. Tentarei portanto simplificar e exclarecer um pouco mais sobre a tão complicada questão palestina. Bem, Palestina (do original Filistina – “Terra dos Filisteus”) é o nome dado desde a Antiguidade à região do Oriente Próximo (impropriamente e comumente chamado de “Oriente Médio”), localizada a nordeste da Península do Sinai, entre o Mar Mediterrâneo e o vale do Rio Jordão. Trata-se da Canaã bíblica, que os judeus tradicionalistas preferem chamar de Sion (daí vem o termo sionismo).

A Palestina foi conquistada pelos hebreus ou israelitas, que hoje conhecemos mais como judeus por volta de 1200 a.C., depois que aquele povo se retirou do Egito, onde viveu por alguns séculos. ( dá para perceber então que hebreus, israelitas e judeus é um mesmo povo, apenas tratados por termos diferentes ao longo do tempo, que aliás segundo a biblia uma dessas mudanças foi Deus quem fez).

Mas as sucessivas dominações estrangeiras, começadas com a tomada de Jerusalém (587 a.C.) por Nabucodonosor, rei da Babilônia, deram início a um progressivo processo de dispersão da população judaica, a conhecida diáspora, embora sua grande maioria ainda permanecesse na Palestina.

As duas rebeliões dos judeus contra o domínio romano (em 66-70 e 133-135 d.C.) tiveram resultados desastrosos. Ao debelar a primeira revolta, o general (mais tarde imperador) Tito arrasou o Templo de Jerusalém, do qual restou apenas o Muro das Lamentações. E o imperador Adriano, ao sufocar a segunda, intensificou a diáspora e proibiu os judeus de viver em Jerusalém. A partir de então, os israelitas espalharam-se pelo Império Romano; alguns grupos emigraram para a Mesopotâmia e outros pontos do Oriente Médio, fora do poder de Roma.

A partir de então, a Palestina passou a ser habitada por populações helenísticas romanizadas; ( Gregos) e, em 395, quando da divisão do Império Romano, tornou-se uma província do Império Romano do Oriente (ou Império Bizantino).

Em 638, a região foi conquistada pelos árabes (etnia), no contexto da expansão do islamismo (religião), e passou a fazer parte do mundo árabe, embora sua situação política oscilasse ao sabor das constantes lutas entre governos muçulmanos rivais. Chegou até mesmo a constituir um Estado cristão fundado pelos cruzados (1099-1187). Finalmente, de 1517 a 1918, a Palestina foi incorporada ao imenso Império Otomano (ou Império Turco). Deve-se, a propósito, lembrar que os turcos, e embora muçulmanos, não pertencem à etnia árabe. ( ou seja, os turcos praticam o islamismo, mas são de etnia diferente dos árabes, assim como os iranianos que praticam o islamismo, e portanto são muçulmanos, porém não são árabes, são Persas!! ) (ainda não entendeu? pois bem, é como comparar duas tribos indigenas como os Ianomami e os Mundurucu. Pertencem a um grupo específico, porém com traços linguisticos e culturais distintos. Por isso judeu não é árabe e persa não é palestino, mas palestino é árabe e não judeu a pesar de viverem hoje dentro do estado de Israel. A palestina é uma região pequena que engloba Israel, Gaza e cisjordania)

Em 1896, o escritor austríaco de origem judaica Theodor Herzl fundou o Movimento Sionista, que pregava a criação de um Estado judeu na antiga pátria dos hebreus.

Esse projeto, aprovado em um congresso israelita reunido em Genebra, teve ampla ressonância junto à comunidade judaica internacional e foi apoiado sobretudo pelo governo britânico (apoio oficializado em 1917, em plena Primeira Guerra Mundial, pela Declaração Balfour).

No início do século XX, já existiam na região pequenas comunidades israelitas, vivendo em meio à população predominantemente árabe. A partir de então, novos núcleos começaram a ser instalados, geralmente mediante compra de terras aos árabes palestinos.

Durante a Primeira Guerra Mundial, a Turquia lutou ao lado da Alemanha e, derrotada, viu-se privada de todas as suas possessões no mundo árabe. A Palestina passou então a ser administrada pela Grã-Bretanha, mediante mandato concedido pela Liga das Nações ( atual ONU) .

Depois de 1918, a imigração de judeus para a Palestina ganhou impulso, o que começou a gerar inquietação no seio da população árabe, principalmente nos palestinos. A crescente hostilidade desta última levou os colonos judeus a criar uma organização paramilitar – a Haganah – a princípio voltada para a autodefesa e mais tarde também para operações de ataque contra os árabes.

Apesar do conteúdo da Declaração Balfour, favorável à criação de um Estado judeu, a Grã-Bretanha tentou frear o movimento imigratório para não descontentar os Estados muçulmanos do Oriente Médio, com quem mantinha proveitosas relações econômicas; mas viu-se confrontada pela pressão mundial da coletividade israelita e, dentro da própria Palestina, pela ação de organizações terroristas.

Após a Segunda Guerra Mundial, o fluxo de imigrantes judeus tornou-se irresistível. Em 1947, a Assembléia Geral da ONU decidiu dividir a Palestina em dois Estados independentes: um judeu e outro palestino. Mas tanto os palestinos como os Estados árabes vizinhos recusaram-se a acatar a partilha proposta pela ONU. ( é daí o inicio de todo o conflito)

Em 14 de maio de 1948, foi proclamado o Estado de Israel, que se viu imediatamente atacado pelo Egito, Arábia Saudita, Jordânia, Iraque, Síria e Líbano (1ª Guerra Árabe-Israelense). Os árabes foram derrotados e Israel passou a controlar 75% do território palestino. A partir daí, iniciou-se o êxodo dos palestinos para os países vizinhos. Atualmente, esses refugiados somam cerca de 3 milhões.

Os 25% restantes da Palestina, correspondentes à Faixa de Gaza e à Cisjordânia, ficaram sob ocupação respectivamente do Egito e da Jordânia.

a seguir a cronologia dos principais acontecimentos

1947 – A ONU aprova a partilha da Palestina em dois Estados – um judeu e outro árabe. Essa resolução é rejeitada pela Liga dos Estados Árabes.

1948 – Os Judeus proclamam o Estado de Israel, provocando a reação dos países árabes. Primeira Guerra Árabe-Israelense. Vitória de Israel sobre o Egito, Jordânia, Iraque, Síria e Líbano e ampliação do território israelense em relação ao que fora estipulado pela ONU. Centenas de milhares de palestinos são expulsos para os países vizinhos. Como territórios palestinos restaram a Faixa de Gaza e a Cisjordânia, ocupadas respectivamente por tropas egípcias e jordanianas.

1956 – Guerra entre Israel e o Egito. Embora vitoriosos militarmente, os israelenses retiraram-se da Faixa de Gaza e da parte da Península do Sinai que haviam ocupado.

1964 – Criação da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), cuja pretensão inicial era destruir Israel e criar um Estado Árabe Palestino. Utilizando táticas terroristas e sofrendo pesadas retaliações israelenses, a OLP não alcançou seu objetivo e, com o decorrer do tempo, passou a admitir implicitamente a existência de Israel.

1967 – Guerra dos Seis Dias. Atacando fulminantemente em três frentes, os israelenses ocupam a Faixa de Gaza e a Cisjordânia (territórios habitados pelos palestinos) e tomam a Península do Sinai ao Egito, bem como as Colinas de Golan à Síria.

1970 – “Setembro Negro”. Desejando pôr fim às retaliações israelenses contra a Jordânia, de onde provinha a quase totalidade das incursões palestinas contra Israel, o rei Hussein ordena que suas tropas ataquem os refugiados palestinos. Centenas deles são massacrados e a maioria dos sobreviventes se transfere para o Líbano.

1973 – Guerra do Yom Kippur (“Dia do Perdão”). Aproveitando o feriado religioso judaico, Egito e Síria atacam Israel; são porém derrotados e os israelenses conservam em seu poder os territórios ocupados em 1967. Para pressionar os países ocidentais, no sentido de diminuir seu apoio a Israel, a OPEP (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) provoca uma forte elevação nos preços do petróleo.

1977 – Pela primeira vez, desde a fundação de Israel, uma coalizão conservadora (o Bloco Likud) obtém maioria parla mentar. O novo primeiro-ministro, Menachem Begin, inicia o assentamento de colonos judeus nos territórios ocupados em 1967.

A Questão Palestina

1979 – Acordo de Camp David. O Egito é o primeiro país árabe a reconhecer o Estado de Israel. Este, em contrapartida, devolve a Península do Sinai ao Egito (cláusula cumprida somente em 1982). Em 1981, militares egípcios contrários à paz com Israel assassinam o presidente Anwar Sadat.

1982 – Israel invade o Líbano (então em plena guerra civil entre cristãos e muçulmanos) e consegue expulsar a OLP do território libanês. Os israelenses chegam a ocupar Beirute, capital do Líbano. Ocorrem massacres de refugiados palestinos pelas milícias cristãs libanesas, com a conivência dos israelenses.

1985 – As tropas israelenses recuam para o sul do Líbano, onde mantêm uma “zona de segurança” com pouco mais de 10 km de largura. Para combater a ocupação israelense, forma-se o Hezbollah (“Partido de Deus”), organização xiita libanesa apoiada pelo governo islâmico fundamentalista do Irã.

1987 – Começa em Gaza (e se estende à Cisjordânia) a Intifada (“Revolta Popular”) dos palestinos contra a ocupação israelense. Basicamente, a Intifada consiste em manisfestações diárias da população civil, que arremessa pedras contra os soldados israelenses. Estes frequentemente revidam a bala, provocando mortes e prejudicando a imagem de Israel junto à opinião internacional. Resoluções da ONU a favor dos palestinos são sistematicamente ignoradas pelo governo israelense ou vetadas pelos Estados Unidos. A Intifada termina em 1992.

1993 – Com a mediação do presidente norte-americano Bill Clinton, Yasser Arafat, líder da OLP, e Yitzhak Rabin, primeiro-ministro de Israel, firmam em Washington um acordo prevendo a criação de uma Autoridade Nacional Palestina, com autonomia administrativa e policial em alguns pontos do território palestino. Prevê-se também a progressiva retirada das forças israelenses de Gaza e da Cisjordânia. Em troca, a OLP reconhece o direito de Israel à existência e renuncia formalmente ao terrorismo. Mas duas organizações extremistas palestinas (Hamas e Jihad Islâmica) opõem-se aos termos do acordo, assim como os judeus ultranacionalistas.

1994 – Arafat retorna à Palestina, depois de 27 anos de exílio, como chefe da Autoridade Nacional Palestina (eleições realizadas em 1996 o confirmam como presidente) e se instala em Jericó. Sua jurisdição abrange algumas localidades da Cisjordânia e a Faixa de Gaza – embora nesta última 4 000 colonos judeus permaneçam sob administração e proteção militar israelenses. O mesmo ocorre com os assentamentos na Cisjordânia. Na cidade de Hebron (120 000 habitantes palestinos), por exemplo, 600 colonos vivem com o apoio de tropas de Israel. Nesse mesmo ano, a Jordânia é o segundo país árabe a assinar um tratado de paz com os israelenses.

1995 – Acordo entre Israel e a OLP para conceder autonomia (mas não soberania) a toda a Palestina, em prazo ainda indeterminado. Em 4 de novembro, Rabin é assassinado por um extremista judeu.

1996 – É eleito primeiro-ministro Binyamin Netanyahu, do Partido Likud (antes denominado Bloco Liked), que paralisa a retirada das tropas de ocupação dos territórios palestinos e intensifica os assentamentos de colonos judeus em Gaza, na Cisjordânia e em Jerusalém Oriental, em meio à população predominantemente árabe. O processo de pacificação da região entra em compasso de espera, ao mesmo tempo em que recrudescem os atentados terroristas palestinos. Em Israel, o primeiro-ministro (chefe do governo) é eleito pelo voto direto dos cidadãos.

1999 – Ehud Barak, do Partido Trabalhista (ao qual também pertencia Yitzhak Rabin), é eleito primeiro-ministro e retoma as negociações com Arafat, mas sem que se produzam resultados práticos.

2000 – Israel retira-se da “zona de segurança” no sul do Líbano. Enfraquecido politicamente, devido à falta de progresso no camiho da paz, e também devido às ações terroristas palestinas (não obstante as represálias israelenses), Barak renuncia ao cargo de primeiro-ministro. São convocadas novas eleições, nas quais ele se reapresenta como candidato. Mas o vencedor é o general da reserva Ariel Sharon, do Partido Likud, implacável inimigo dos palestinos. Pouco antes das eleições, começa nos territórios ocupados uma nova Intifada.

2001 – Agrava-se o ciclo de violência: manifestações contra a ocupação israelense, atentados suicidas palestinos e graves retaliações israelenses. Nesse contexto, Yasser Arafat, já septuagenário, parece incapaz de manter a autoridade sobre seus compatriotas ou de restabelecer algum tipo de diálogo com Israel, cujo governo por sua vez mantém uma inflexível posição de força.

8 de jul de 2010

A pobreza da riqueza

Por Cristóvam Buarque

"Em nenhum outro país os ricos demonstram mais ostentação que no Brasil. Apesar disso, os brasileiros ricos são pobres. São pobres porque compram sofisticados automóveis importados, com todos os exagerados equipamentos da modernidade, mas ficam horas engarrafados ao lado dos ônibus de subúrbio. E, às vezes, são assaltados, seqüestrados ou mortos nos sinais de trânsito. Presenteiam belos carros a seus filhos e não voltam a dormir tranqüilos enquanto eles não chegam em casa. Pagam fortunas para construir modernas mansões, desenhadas por arquitetos de renome, e são obrigados a escondê-las atrás de muralhas, como se vivessem nos tempos dos castelos medievais, dependendo de guardas que se revezam em turnos.

Os ricos brasileiros usufruem privadamente tudo o que a riqueza lhes oferece, mas vivem encalacrados na pobreza social. Na sexta-feira, saem de noite para jantar em restaurantes tão caros que os ricos da Europa não conseguiriam freqüentar, mas perdem o apetite diante da pobreza que ali por perto arregala os olhos pedindo um pouco de pão; ou são obrigados a restaurantes fechados, cercados e protegidos por policiais privados. Quando terminam de comer escondidos, são obrigados a tomar o carro à porta, trazido por um manobrista, sem o prazer de caminhar pela rua, ir a um cinema ou teatro, depois continuar até um bar para conversar sobre o que viram. Mesmo assim, não é raro que o pobre rico seja assaltado antes de terminar o jantar, ou depois, na estrada a caminho de casa. Felizmente isso nem sempre acontece, mas certamente, a viagem é um susto durante todo o caminho. E, às vezes, o sobressalto continua, mesmo dentro de casa.

Os ricos brasileiros são pobres de tanto medo. Por mais riquezas que acumulem no presente, são pobres na falta de segurança para usufruir o patrimônio no futuro. E vivem no susto permanente diante das incertezas em que os filhos crescerão. Os ricos brasileiros continuam pobres de tanto gastar dinheiro apenas para corrigir os desacertos criados pela desigualdade que suas riquezas provocam: em insegurança e ineficiência.

No lugar de usufruir tudo aquilo com que gastam, uma parte considerável do dinheiro nada adquire, serve apenas para evitar perdas. Por causa da pobreza ao redor, os brasileiros ricos vivem um paradoxo: para ficarem mais ricos têm de perder dinheiro, gastando cada vez mais apenas para se proteger da realidade hostil e ineficiente.

Quando viajam ao exterior, os ricos sabem que no hotel onde se hospedarão serão vistos como assassinos de crianças na Candelária, destruidores da Floresta Amazônica, usurpadores da maior concentração de renda do planeta, portadores de malária, de dengue e de verminoses. São ricos empobrecidos pela vergonha que sentem ao serem vistos pelos olhos estrangeiros.

Na verdade, a maior pobreza dos ricos brasileiros está na incapacidade de verem a riqueza que há nos pobres. Foi esta pobreza de visão que impediu os ricos brasileiros de perceberem, cem anos atrás, a riqueza que havia nos braços dos escravos libertos se lhes fosse dado direito de trabalhar a imensa quantidade de terra ociosa de que o país dispunha. Se tivesse percebido essa riqueza e libertado a terra junto com os escravos, os ricos brasileiros teriam abolido a pobreza que os acompanha ao longo de mais de um século. Se os latifúndios tivessem sido colocados à disposição dos braços dos ex-escravos, a riqueza criada teria chegado aos ricos de hoje, que viveriam em cidades sem o peso da imigração descontrolada e com uma população sem miséria.

A pobreza de visão dos ricos impediu também de verem a riqueza que há na cabeça de um povo educado. Ao longo de toda a nossa história, os nossos ricos abandonaram a educação do povo, desviaram os recursos para criar a riqueza que seria só deles, e ficaram pobres: contratam trabalhadores com baixa produtividade, investem em modernos equipamentos e não encontram quem os saiba manejar, vivem rodeados de compatriotas que não sabem ler o mundo ao redor, não sabem mudar o mundo, não sabem construir um novo país que beneficie a todos. Muito mais ricos seriam os ricos se vivessem em uma sociedade onde todos fossem educados.

Para poderem usar os seus caros automóveis, os ricos construíram viadutos com dinheiro de colocar água e esgoto nas cidades, achando que, ao comprar água mineral, se protegiam das doenças dos pobres. Esqueceram-se de que precisam desses pobres e não podem contar com eles todos os dias e com toda saúde, porque eles (os pobres) vivem sem água e sem esgoto. Montam modernos hospitais, mas tem dificuldades em evitar infecções porque os pobres trazem de casa os germes que os contaminam. Com a pobreza de achar que poderiam ficar ricos sozinhos, construíram um país doente e vivem no meio da doença.

Há um grave quadro de pobreza entre os ricos brasileiros. E esta pobreza é tão grave que a maior parte deles não percebe. Por isso a pobreza de espírito tem sido o maior inspirador das decisões governamentais das pobres ricas elites brasileiras.

Se percebessem a riqueza potencial que há nos braços e nos cérebros dos pobres, os ricos brasileiros poderiam reorientar o modelo de desenvolvimento em direção aos interesses de nossas massas populares. Liberariam a terra para os trabalhadores rurais, realizariam um programa de construção de casas e implantação de redes de água e esgoto, contratariam centenas de milhares de professores e colocariam o povo para produzir para o próprio povo. Esta seria uma decisão que enriqueceria o Brasil inteiro - os pobres que sairiam da pobreza e os ricos que sairiam da vergonha, da insegurança e da insensatez.

Mas isso é esperar demais. Os ricos são tão pobres que não percebem a triste pobreza em que usufruem suas malditas riquezas".