1 de set de 2010

DE QUEM É A CULPA?


Revendo meus arquivos pessoais, encontrei uma resenha que havia escrito e achei interessante publicar e dividir minhas idéias com mais alguém...

CARVALHO, Maria do Carmo Naif. O meio ambiente e a sociedade, in: Gestão de pessoas. Rio de janeiro. SENAC Nacional, 2004.p 65-72.

O meio ambiente e a sociedade apresentados por Carvalho (2004) nos tráz uma discussão a cerca da problemática ambiental enfrentada atualmente, cujas bases se estendem por diversos campos sociais, “político, histórico, ecológico, econômico, psicológico e religioso” (p.65).
Para nos instigar sobre os aspectos a que a autora aborda em seu trabalho, a princípio nos remete a algumas questões atuais sobre o ambiente e segue com indagações que nos forçam a pensar sobre o ambiente em que nos inserimos atualmente, pelas mudanças que a terra e as espécies passaram, novas surgiram e muitas desapareceram.
A autora trata o ambiente como um sistema cíclico, que, no entanto está passível de sofrer alterações de acordo com o equilíbrio social, sobretudo do sistema político, omisso e imoral ante suas responsabilidades segundo ela.
Nos mostra o que fazemos e atitudes que frequentemente tomamos sem pensar em gravidades e implicações resultantes, evidenciando desta forma o homem como parte do ambiente. O que ao ambiente for causado enquanto dano resultará em conseqüência ao homem, uma vez sendo estes indissociáveis.
Segundo a autora “ao introduzir elementos da comunicação e da técnica, nossa espécie transcendeu a evolução biológica natural” (p.66), fato que impõe sobre o que seja feito pelo homem ponha em risco a vida na terra. Um princípio de ação e reação, em que toda ação humana danosa a terra terá em conseqüência uma reação da terra sobre a vida humana e também outras, uma vez sendo todos interdependentes.
A responsabilidade em resgatar o equilíbrio é tratada como de cada um. Todos devem rever seus conceitos, crenças, atitudes e hábitos de consumo, assim fazendo um esforço para compensar os problemas que causamos.
Alguns problemas tal como o da população mundial, tratada como sendo conseqüência da pobreza, devem ser sanados. Segundo a autora a partir da redução da pobreza, vista por ela como fator agravante, aliado ao aumento constante do endividamento dos países do hemisfério sul faz com que se perpetue uma pressão sobre os recursos.
É preciso antes de tudo uma mudança que ainda não se concretizou para muitos de nossos governantes, e, sobretudo uma conscientização para que possamos garantir a manutenção de futuras gerações e da terra como um todo. Para isso a autora finaliza deixando três princípios necessários para se adotar uma cultura ecológica.
O primeiro, a interdependência, trata dos processos vivos relacionados e por isso uma sociedade consciente disso é necessária. O segundo, da natureza cíclica em que não há uma entropia, diferente da ação humana que gera uma entropia, um desperdício de biomassa, segundo ela ”o maior conflito entre a economia e a ecologia reside no fato de a natureza ser cíclica e a indústria linear” (p.71). O terceiro princípio é o da cooperação, em que cada um pode ser capaz de compreender a necessidade do outro e por isso mesmo ser consciente de sua responsabilidade com a natureza.
Penso que as atitudes hoje preponderantes são fruto de uma ideologia desenvolvimentista, mais econômica que social. Ótica que pôs a natureza em risco por acreditar a principio que os recursos eram infinitos.
Os recursos são tão finitos quanto a vida humana, pois ambos estão interligados, o fim de um resultará na extinção do outro, resultado de uma força de ação e reação como já salientado. Entretanto é preciso refletir sobre as responsabilidades perante a natureza, deixar responsabilidades iguais para ações impactantes diferentes sobre a natureza é em grande parte prejudicar alguns e beneficiar outros. Pergunta-se então, todos temos as mesmas responsabilidades com a natureza? Certamente que sim, mas quando se fala em culpas iguais a resposta que daria seria, claro que não!
Pensemos, por exemplo, na ação de uma indústria pesqueira que atua em um determinado local e distribui sua mercadoria para ser vendida no mundo inteiro. A pressão sobre a natureza local e os danos causados pela indústria são evidentes, agora se pegássemos com exemplo um ribeirinho amazônico que extrai da floresta algum tipo de madeira, palha e outros para construir sua humilde moradia, um dia após o outro retira dos rios e de algumas palmeiras, como o açaizeiro, o seu alimento e pequeno excedente para ser comercializado na cidade para suprir necessidade de outros produtos, será que ambos tem a mesma culpa sobre os problemas que afetam o planeta? Penso que não. Quem deve ser desse modo conscientizado sobre ações de preservação do meio ambiente, ambos?
Utilizando o mesmo exemplo da autora sobre o garoto que salvava as estrelas – do - mar, uma após a outra, evidenciando a responsabilidade de cada um questiono: quantas estrelas do mar a indústria deve salvar? E quantas o ribeirinho? É certo que todos devemos ter responsabilidades, porém em proporções diferentes, pois para salvar “as estrelas do mar” digamos que prejudicadas por um ribeirinho se demandaria a mesma ação que para salvar as prejudicadas pela indústria, porém em menor tempo e com menos esforço. Dar responsabilidades iguais para intensidades diferentes de ações favorece para que alguns lucrem e outros levem culpa.
É certo que danos que acontecem em uma parte do mundo afetam o mundo inteiro, mas será moral ou ético um habitante da África racionalizar água porque esta falta em seu espaço, sobretudo devido a mudanças no clima provocadas pelo aquecimento global, decorrentes de emissões de gases principalmente pelos países ricos, enquanto um americano usa até dez vezes mais água do que necessita, sendo eles responsáveis pelo que acomete a população africana? É uma necessidade de sobrevivência que impõe os africanos racionalizar a água, não uma responsabilidade proporcional ao dano que causam.
Creio que a numerosidade da população no países pobres não seja um fator que se sobressaia quando nos referimos a danos ao ambiente como propõe a autora. Se fizermos isso estaremos voltando ao século XIX com a teoria dos pricípios da população do inglês Thomas Robert Malthus. A pobreza e a população não são responsáveis pelo que acomete ao ambiente, basta tomar como exemplo a China com sua gigantesca população de 1,3 bilhões de pessoas, é o país que mais tem usuários de bicicletas.Comparando o padrão de vida dos EUA em que quase toda família tem entre 1 e 3 carros, não tem nem 1/5 da população da China e é responsável pela maior parte das emissões de gases danosos ao ambiente no mundo, veremos neste exemplo que ter uma população numerosa não é o problema, o problema está nos hábitos, no modo de vida. Devemos sim nos preocupar, mas se a população dos países pobres adquirirem o mesmo poder de consumo dos países ricos, e parece ser isso que a indústria quer buscar, consumidores em potencial.
Assim, devemos nos conscientizar, mas para saber o papel de cada um e poder questionar e impedir aqueles que agridem e ameaçam o ambiente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário