10 de set de 2010

Belo Monte "pour Le Monde" da França

Des indiens Tucano manifestent contre la construction du barrage à Brasilia, le 26 août 2010.
AP/Eraldo Peres













 Desde 2007 quando fazia o curso Livre de francês na Ufpa, em Belém, adquiri o hábito de ler os jornais francêses "Le Monde" e o "Le figaro", encontrei numa de minhas buscas  uma matéria em referência a controvertida obra da usina de Belo Monte, com uma foto exibindo um cartaz que mostra um trocadilho com o nome da usina. Saber qual a visão de outros povos e culturas sobre o quanto e o que acontece em nosso ambiente repercute em outras realidades geográficas é importante, então resolvi fazer uma tradução "á la Tarcisio" e publicar no final do post e assim incentivar meus visitantes a ler.

 
Le président brésilien, Luiz Inacio Lula da Silva, a signé jeudi 26 août le contrat de concession de travaux publics pour le barrage controversé de Belo Monte en Amazonie, le troisième du monde, auquel s'opposent des écologistes et des communautés indigènes. "Nous rendons possible quelque chose qui paraissait impossible il y a 30 ans (...) c'est une victoire du secteur énergétique", a déclaré Lula pendant la cérémonie. C'est le consortium Norte Energia, à dominante publique (49,98 %) qui construira le barrage, mais la participation indirecte de l'Etat est estimée à 70 % parce que des fonds d'investissements d'entreprise publiques complètent ce consortium."Le gouvernement a signé la condamnation à mort du fleuve Xingu et l'expulsion de milliers de riverains", ont déploré des Indiens de la région soutenus notamment par l'Eglise et le réalisateur d'Avatar, l'Américain James Cameron. leia mais no texto original.

O presidente brasileiro, Luiz Inácio Lula da Silva, assinou nesta quinta-feira 26 de agosto o contrato de concessão das obras publicas da controversa barragem de Belo Monte na Amazônia, a terceira maior do mundo se opondo aos ecologistas e as comunidades indígenas. “ Nós estamos permitindo algo que parecia impossível há 30 anos (...) é uma vitória do setor energético, declarou Lula durante a cerimônia.O consorcio Norte Energia, dominante público com 49,98 % construirá a barragem, mas a participação indireta do estado está estimada em 70% uma vez que os fundos de investimentos públicos completam o consorcio." o governo assinou a condenação à morte dos povos do Xingu e a expulsão de milhares de ribeirinhos" desabafam os indigenas da região apoiados pela igreja e pelo americano James Cameron produtor do Avatar.

Nenhum comentário:

Postar um comentário