27 de out de 2009

Semeando Esperança

No dia 16/10, os alunos da 102 manhã da EEEFM Rio Caeté acompanhados da profª Kátia Correa e eu fomos à Fazenda da Esperança - como se intitulam as comunidades terapêuticas que abrigam jovens dependentes químicos ansiosos por se ver livre das drogas e do álcool - entregar pacotes de café doados pelos próprios alunos. Na fazenda, os alunos visitaram as instalações como as do projeto Mandala e conheceram um pouco mais sobre a obra social lá desenvolvida. Você também pode conhecer o trabalho da Fazenda da Esperança clicando aqui!

17 de out de 2009

Uma aula de Educação Ambiental!

No dia 06/10 (terça-feira), nós professores, Tarcísio, Katia e Lina juntamente com os alunos da turma 101 da manhã demos início às atividades do projeto de Educação Ambiental da Escola Rio Caeté que tem como objetivo central buscar à integração da escola junto a comunidade e proporcionar condições para a formação da consciência ambiental e para a promoção de valores, atitudes e hábitos ligados ao uso responsável dos recursos naturais, a preservação do meio ambiente e a melhoria da qualidade de vida e da educação. Assim descrevo a aula passeio realizada pelo grupo: "Em nossa primeira atividade visitamos uma das nascentes do rio Cereja localizada na EFAC. Lá os alunos aprenderam sobre a importância da preservação das nascentes (fonte de vida para os rios) e como o homem vem alterando de forma drástica este ambiente com desmatameto de mata ciliar, produção de carvão vegetal, açoreamento e contaminação química por ácido cianídrico( que causa diminuição do númerdo de peixes, devido o excesso de mandioca na água para amolecimento e posterior produção de farinha). Saindo da propriedade da EFAC visitamos o igarapé do tubo na BR308 que está totalmente poluído por residuos sólidos e precisa ser limpo, pois é um local muito frequentado pela população da periferia de Bragança. Antes, os alunos fizeram a festa num igarapé bem próximo da nascente ( a montante do tubo, assim longe de contaminação). Encontramos também um esqueleto e levamos pro laboratório. Até brincamos dizendo que foi nosso achado arqueológico. Aproveitamos para agradecer nosso guia nessa aventura, o Gil, filho da profª. Lina."